quarta-feira, 17 de março de 2010

Louise (ou do Louisístico platonismo)

I) Preliminares:


a)para a visão de Louise, ouça "Bientot" (Coralie Clèment)

b)para a visão de Hades, ouça "The apostle in triunph" (Opeth) ou "Bad Things" (Jace Everett)

c)para uma visão complementar, ouça "Alleine Zu Zweit" (Lacrimosa)


"Agora me encomoda bem menos, ser assim. Quero dizer, o passado é monstro verde à espreita, pronto ao ataque. De você - e em você - enxerguei-me de visão panorâmica.

Nos seus olhos estava mergulhado o meu orgulho de não sentir-me com orgulho"


Do platonismo

tomei parte

e, como a seita que é,

acredita não no poder

do eu, mas do als ob

- e ama.

Do cadinho tomei o vinho

que lhe cuspo na face

Pra nunca mais.

Nunca mais.


-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Uma garota caminhava de quatro por um cômodo amplo, era Louise. Ela lambia o chão cruzando o quarto até que chegou à porta, ajoelhou-se e lambeu a maçaneta somente com a ponta da língua. No mesmo átimo, a maçaneta girou e a porta foi empurrada para frente da garota. Ela observou atentamente o rapaz de finos traços e olhos amendoados.Finalmente o japonês do apartamento ao lado batia - literalmente - à sua

porta, se este era o seu quarto. E era. Rapidamente, questões como "quem o deixou subir e chegar até aqui" pipocaram na mente dela. Como assim, o japonês que, há meses, pesrseguia, sério.

O rapaz apenas a observava, sério. Olhos faiscantes, indolentes e incandecentes.

Era como se ele não pensasse em nada e ela se desmanchasse num turbilhão de pensamentos, hipóteses, soluções e, claro, inutilidades.

"onde será que ele tem uma tatuagem, se ele tem..."

Ele encarava como se precisasse de algo, mas não era capaz de fazer-se compreender. Disse ele pegando a mão dela e colocando na rigidez genital:

-C'mon chèrie.

Ela respondeu com um olhar sorridente.

-Não tenha medo - disse ele - e mova. Just relax, mon chèrie. - sorriu, cínico feito ácido, gostoso como um sonho. Corrosivo.Demais, demais. - Me deixa ser seu Hades.

Ela moveu o quanto conseguia.E o sorriso lhe palpitava o peito fazendo-a sentir cócegas frio e calor.

-Feche os olhos - ordenou.E no fechar de olhos, ela percebeu o profundo olhar verde seguido do arrancar de sua blusa... depois disso, não mais conseguiu abrir os olhos. - Horrorizou-se, francesinha?Ah, non creo.

Ele a carregou para a cama de edredon rosa, numa braçada jogou todos os bichos de pelúcia (toda a coleção da Marittel) no chão, transformando-os numa plateia em volta do palco que se desnudaria tão logo. Combriu seus lábios com beijos ardorosos, uma língua veloz, um maxilar envolvido numa cadencia incrível. Ao mesmo tempo, ele explorava as formas do corpo, do indicador na língua dela deslisou pelo pescoço esticado pra trás, os seios que se enrigeciam, o abdome e pegou a vagina como se fosse propriedade sua. Louise estremesseu quando ele abriu o ziper do shortinho xadrez com a boca, exibindo uma calcinha mínima com estampa de onça. Hades abocanhou a calcinha, puxou e largou. Ainda vestido, à medida que a beijava e mordia os seios por cima do soutien, pegou na mochila alguns aparatos...

Vendou e amarrou os pulsos dela à cama. Rasgou com as mãos o soutien rosa bebê e devorou o conteúdo, intercalando com chupadas e lambidas de leve. A menina simplesmente tremia e arfava. Não satisfeito, ele tirou a calça e alojou seu membro entre os pequenos seios e puxou os cabelos dela e griou:

- C'mon Chèrie!C'mon!C'amon!

Ela sentia o entrar e sair daquela torre em sua boca, o calor, a rigidez, o calor, a rigidez, o calor, a rigidez, o calor, a rigidez....e o paladar. Então ele jorrou, jorrou no rosto, pescoço e ombros. Com as mãos ele espalhou tudo aquilo pelo corpo dela. Deitado sobre aquele corpo, sentiu a inclinação dela pra cima, ao encontro do pênis ainda não reconstruido. Afastou-se e retornou algumas vezes, puxou a ponta dos mamilos dela e mordeu o pescoço enquanto suas mãos se enchiam com os peitinhos joviais, no meio da carícia apertou pra valer até ouvir o gemido então uniu-os e passou a outra travessura.

Virou a garota de bruços, mordeu e chupou o dorso segurando os ombros dela com força e tornou a virá-la.

Sentindo o palpitar do corpo da garota, Hades, imediatamente, arrancou-lhe a calcinha e tocou-lhe a boceta com os dedos, percorrendo os pontos certos, sentindo o limite, a vontade crescendo além do insuportável...então penetrou com força e cavalgou com o mais límpido prazer, roçando a pele, pegando a costela, o abdomem e as nádegas com a fome de cão, tamanha a voracidade animal que se apoderava dele. Ébria de desejo, ela suplicava e ele galopava o sexo mais rápido, mais rá-pido, mais rá-pi-do, mais rá-pi-do-ooooooooo ... então ela se contorceu, sentiu-se parte de um todo que era ela mesma, o centro de um círculo, ao mesmo tempo parado e dinâmico, físico e espiritual, um prazer indescritível!Logo sentiu um jato dentro de si e o deslanchar.

Logo então, seu amante sai de cima do corpo, se veste, beija de leve os seus lábios ávidos e a liberta. .

Mas antes de sair ele disse:

-Merci beaucoup, ma chèrie. - e saiu. Assim como veio. Pra nunca mais

Louise guardou no fundo das retinas aquele quadro, imagem que guardaria até o fim dos seus dias.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lençóis revoltos e inquietude involuntária.

Mas fora apenas sonho...?!

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Encontros Marcados

Tudo começou quando eles se provocavam em jogos internéticos, quando mesclavam um pouco de suspense e o clima que pintava em momentos de perigo constante. As provocações esquentavam as fantasias daqueles dois que apenas imaginavam como eram e o que seriam capazes de fazer, quando se encontrassem em uma cama e os corpos deslizassem um ao outro.
As provocações começaram a se intensificar, quando as fotos começaram a ser trocadas. As fantasias começaram a tomar formas mais interessantes e as conversas...
Huuum... Como se deliciaram com as possibilidades de um encontro real que ia além de conversas virtuais e a falta do toque, do aroma e do gosto que as peles podiam proporcionar.
Surgiu então a oportunidade, em que finalmente distância e telas seriam deixadas de lado. Planos feitos com esmero para que nada acontecesse de errado. Ansiedade que aumentava com o passar do tempo.
Figuras pitorescas e belas em seu modo de ser. Ele alto, em seu corpo moldado e sorriso safado e ela baixa, em seu corpo esguio e olhar luxurioso. Nada como o encontro de ambos para já arrancar um sorriso ao canto dos lábios e discretos de quem observava o encontro aparente de amigos que não se viam há muito tempo.
Ah! Claro que eles sabiam, todos que estavam ali, observadores e “amigos”, no que resultaria o dito encontro que ocorreria entre as paredes de um quarto.
Comportados subiram e descomportados ficaram assim que no quarto adentraram.
Roupas arrancadas sem muita demora, corpos que deslizavam, provando a maciez da pele. Ela vislumbrada ao conhecer aquele com que ela trocou provocações virtuais e ele deleitado por finalmente ter aquele corpo visto por fotos finalmente em suas mãos.
Os lábios dela souberam passear, arrancando suspiros, arrepios e o desejo latente crescendo na pressa das precauções tomadas. Língua que deslizava e o fazia arrepiar-se e deitar-se. Gemer ao sentir o sexo apertado dela, moldando-se à medida que o deslizava para dentro dela.
Cavalgar com olhares do querer confirmar que tudo estava realmente acontecendo e não eram apenas delírios de noites em que provocaram um ao outro.
Polegar que brincava à entrada daquilo que ele realmente desejava, que penetrava, arrancando gemidos e suspiros por parte dela.
Corpos que erguiam e eram erguidos. Corpos que suavam e se prolongavam em posições que eram trocadas, o pedido de arranhares, mordidas e asfixia e ele conseguia cansá-la, pedir uma pausa para depois continuarem.
Língua quente e úmida que acariciava muito mais que a virilha do parceiro, mais rebuscares de ar e arrepiares. Mais penetrações e cavalgares, mais tomadas de quatro e mordidas com suas marcas.
Voz maliciosa e grave que pedia para vê-la se masturbar, gozar, gemendo baixo ao ouvido, enquanto ele a observava atingir o gozo desejado. O sorriso se intensificando no pedido da boca que tanto o deliciara, saciando-se no gozo que encheria a boca da pequena com tamanho prazer.
Risos ao perceberem que o horário avançara mais do que imaginavam e gargalhadas ao perceberem que ambos teriam problemas ao raiar do sol. Antes do fechar da porta, ela ainda pode escutar aquela voz.
- Boa noite, Abyss. Quem sabe da próxima vez nos encontremos mais cedo?

quarta-feira, 25 de março de 2009

Gostosuras ou Travessuras?

Tudo começou com uma troca de olhares.
Dos olhares passaram para os sorrisos.
Dos sorrisos passaram para conversas e pequenos flertes.
Dos pequenos flertes passaram para uma forma de se esbarrarem mais vezes nas ruas.
Quando viram, já sentiam falta das conversas; de poderem sorrir um para o outro e de possivelmente não se encontrarem mais tão facilmente, pois ela estava para viajar e sair do local que era ponto certo de encontro dos dois.
E-mails eram trocados; a necessidade de se encontrarem crescia e um dia foi ele que entrou de férias.
Ah! Como era interessante ver os flertes aumentando entre ambos. Como era excitante ver o desejo e a lascívia aflorando e beirando à loucura que consumia suas mentes.
Então veio a oportunidade...
Como crianças marcaram uma saída e "brincando" de polícia e ladrão, eles, como os ladrões que precisavam escapar do policiamento, saíram; escaparam; fugiram da realidade que os mantinham afastados.
Nervosismo; risos; confissões à parte os levaram para um local mais isolado dos olhos que os denunciariam.
As pernas começaram a entrelaçar, os corpos a se aproximar e os lábios moldavam-se em sorrisos das travessuras que se iniciavam.
O coração descompassado e mais uma fuga era necessária.
Se separavam para se encontrarem no local onde tudo estava acertado.
Ele ofegante e olhando para os lados, confirmando que não seriam flagrados e ela peralta, sorrindo e adentrando no apartamento invadido.
Bebidas, quarto e logo os corpos estavam colados.
A respiração se descompassando, enquanto as mãos de ambos exploravam.
Blusas arrancadas; dentes arranhando as peles sem marcá-las; arrepios à parte.
Ele deslizando as pontas dos dedos às costas desnudas dela e ela deslizando os lábios ao tórax dele.
Puxar de corpo, quadris encaixados, para que apressar a travessura que estava sendo explorada.
Botões abertos; zíperes abaixados; quadris encaixados.
Huuummm! Que delícia era vê-la naquele rebolado calmo e sinuoso, enquanto ele a masturbava ao clitóris e deslizava em carícias nos seios sua outra mão.
A fome aumentava e os lábios dela passearam, buscaram o sexo teso do parceiro de travessuras.
Língua que serpenteia, acaricia até a boca se moldar nas promessas de seus desejos.
Peles que se eriçavam; calças que eram arrancadas e corpo que deslizava sobre ele em uma carícia delongada.
Mais rebolares, mais carícias suaves e o corpo de ambos não agüentavam mais.
Precauções eram tomadas para que a travessura durasse e não fosse esquecida.
Então ele age...
Deslizava seu corpo para dentro dela, começando suave, pois não tinha pressa.
Movimentos ritmados que buscaram não machucá-la e tão pouco estragar aquela madrugada.
Costas à cama; pernas aos ombros; pernas que o puxavam.
Costas à cama; rebolados mais longos; rebolados ritmados; rebolados mais intensos; rebolados que "não acabavam".
Trocas de lados; deitados de lados; ficando de quatro e eles buscavam.
Buscavam prolongar o ato; procuravam deixar marcas à alma e a mente; tudo carinhosamente.
A madrugada corria e as cotovias tentavam alertá-los.
- Não conseguirei segurar mais! -Murmurou o parceiro da travessura.
E sussurrando laguidamente ela murmurou:
- Goza em meu nome. Goze por mim.
E ele recitou o nome dela, em sussurros baixos do gozo intenso de um sonho do qual não queria despertar.
Gozou trêmulo, em espasmo, murmurando baixinho o pedido de perdão por não ter conseguido se segurar mais. Abraçava-a pedindo desculpas enquanto o céu começava a ganhar tons mais claros.
Ela o abraçava, sentindo a pele, sentindo aquele aroma que levaria grudado ao corpo.
- Eu não queria que você fosse embora agora. Queria poder acordar e ver-me abraçado ao teu corpo. Acordar ao teu lado - Confessou a ela.
- Eu também gostaria, mas não podemos ser flagrados. - Confessou a ele, sorrindo de modo fraco.
Com um beijo de despedida e a saída silenciosa de uma gatuna, ela ainda pode escutar aquela voz que a faria relembrar daquela noite de "gostosuras e travessuras".
- Bom dia, Abyss!

sexta-feira, 6 de março de 2009

Provocações – A Revanche

Leia Também:
-----------------------------------------------
Eu estava meio incerta de como seria nosso reencontro depois do que aconteceu, pois meus sentidos me preparavam para algo. Minhas costas estavam arqueadas. Eu, predadora sentia que algo estava errado.
Então nos encontramos e sua recepção não foi uma das melhores. Agrediu-me com palavras, acusando-me e pude perceber os olhares e sorrisos dos demais que indicavam o conhecimento do fato. Ri então com os cantos dos lábios.
Nunca confie em ninguém, pensei remoendo os acontecimentos.
O tempo foi passando e você me evitava. As conversas baixas e risinhos já não passavam despercebidos por mim e ali, por sua reação infante, minha mente maquinava.
Haveria uma revanche e você cairia em minhas garras mais uma vez.
Dei de ombros para seus olhares de lado que faiscavam ódio. Fingi que não era comigo e mostrei-me mais adulta que você. Instiguei aos poucos em sua alma uma revanche, a vontade de me pegar novamente e dizer que era soberano e eu ria em sarcasmo.
Não demorou muito tempo. Eis que a revanche surgiu e em seus atos, perante outros dois funcionários afirmava que daquela noite eu não escaparia.
E quem disse que eu queria escapar naquele momento, meus passos eram calculados, as linhas eram movidas e quando o expediente estava realmente encerrado, lá vinha você mais uma vez. Segurando-me, dominando-me e mostrando que a sua vontade devia prevalecer, mas você não se satisfez, desejava mostrar que era tão dominante que envolveu outro em seu jogo, que participou e eu, não me retrai, deixei rolar solto, pois o melhor ainda estava para acontecer.
Mais uma vez me chamaste de vagabunda, que eu gostava realmente de sexo, fazia-me chupar seu caralho grosso teso e cheio de desejo, enquanto o segundo me fodia por trás.
Pedia-me para engoli-lo inteiro, segurando meu cabelo me obrigando a chupá-lo e eu chupei enquanto rebolava no pau do outro rapaz.
Sua mão veio cheia de vontade para bater em minhas nádegas e eu a segurei.
Não dessa vez, ria por dentro.
Cada vez que tentava o mesmo feito, lhe impedi e rebolava mais ainda para apressar o gozo do outro que nada falava e apenas apreciava meu rebolar.
Um gemido longo, as unhas cravando em minhas coxas...
- Huuum... – gemi baixinho, não por você, mas por ele que se retirava de dentro de meu corpo então eu o empurrei. Tirei de minha boca seu pau ainda teso e comecei a me vestir.
- Mas? – Você ficou pasmo e eu ria baixo, abotoando minha calça. O segundo rapaz saia desnorteado nos deixando a sós por um momento.
- Aprenda uma coisa, moleque! – falei com sarcasmo – Nunca mais bata em minha bunda, porque eu perco o tesão.
- Mas? – Você ainda estava ali, desnudo querendo mais.
- Boa noite e durma bem. – Deixei você sozinho, ali sem ter atingido seu objetivo de gozar, de ter realmente o que você queria e fui conversar com o outro rapaz.
- Você foi ótima e merecia muito mais, ele não te merece. Desculpe-me por eu ter fraquejado e ter ido na onda dele.
Suspirei e bati ao ombro do rapaz que fora envolvido em minha vingança pessoal.
- Não se preocupe...
Despedi-me e fui embora e mesmo com a vingança de ter feito você ficar a ver navios, mais uma vez eu chorei.
Chorei porque em meu desejo de vingança eu me sujeitei a algo que eu não devia ter me sujeitado.
Mas ali, mesmo em prantos, confessando meus pecados ao meu Deus, eu desejava não apenas o perdão por meus atos, mas que mais uma vez eu encontrasse paz...
E prazer...

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Provocações – Parte II

Leia Também:
Provocações - Parte I

-----------------------------------------------
Por um momento demos trégua um para o outro e nos concentramos em nossos trabalhos. A correria aumentara ao ponto de até nossos pensamentos serem roubados e quando os corpos mostravam sinais de exaustão do trabalho, constatamos que era hora de recolher as coisas, apagar as luzes e fechar as portas.
Risos e conversas de despedidas foram feitas para parte do pessoal que partia; conversas mais calma e goles de cerveja eram o que acompanhava quem ficava.
Eu podia ficar um pouco mais. Apenas um pouco mais e você retomou as provocações.
Algo o incendiava de modo diferente.
Se antes os colegas de trabalho pareciam um empecilho, agora você soltava suas farpas, tentando envolver não apenas nós dois, mas envolver três.
Ménage, eis uma faceta sua que eu descobria, mas eu não facilitaria as coisas para algo assim com você logo de início.
Sorri, desconversei e até cheguei a comentar que não seria daquela vez.
Eu precisava agir rápido para que as coisas acontecessem da forma que eu queria que acontecessem.
Levantei-me, despedindo de você e dos demais e fui me retirando com um andar gingado, mas não tão rebolado, bebendo o final de minha cerveja, lançando um olhar lascivo por cima do ombro e um sorriso nada santo.
Rapidamente você esqueceu os demais, andou o mais depressa possível para que eu não escapasse de seu alcance.
Sua mão me envolveu a cintura me virando para você e mal acabei de girar o corpo suas mãos ávidas desceram até minhas nádegas e me puxaram para você com tamanha fome que pude sentir o quanto eu já havia o provocado.
- E se eu não deixar você ir embora e te puxar um pouco mais para mim dessa forma? – Falou-me murmurado, já quase erguendo meu corpo do chão. Eu olhei para o lado e meus olhos apenas indicaram que estávamos sob olhares que eu não estava a fim de compartilhar a situação.
Você compreendeu tudo como um bom cachorro treinado e então me conduziu para longe dos olhares.
Mas as provocações do dia surtiram o efeito e sua mão já escorregava para dentro de minha blusa, buscando conhecer um pouco mais de minhas curvas.
Você usou a parede para me prensar, não me deixar escapar de você e eu já estava com as minhas pernas enlaçadas ao seu redor.
Você erguia a minha blusa, lançando língua, lábios e dentes à pele quente de meu seio. Parecendo desesperado para provar um e depois provar o outro e minhas pernas apenas se apertavam mais ainda ao seu redor, deixando que meu sexo sentisse o quanto teu membro estava teso.
Seu quadril se movia, começando a mostrar o que viria.
Um instinto animal se aflorava em nós dois e logo você fazia minhas pernas descerem, abrindo-me a calça, abaixando-a junto com a minha calcinha, enquanto eu abria sua bermuda e puxava para fora de sua cueca aquele membro que pulsava e latejava desesperado.
Um desespero grande o suficiente para que você não pensasse duas vezes, invadindo meu sexo selvagemente.
O tempo corria, afinal, tínhamos sumido das vistas dos outros e você ainda retornaria para a companhia deles.
Você enfiava fundo seu membro dentro de meu sexo, roçando seus dentes à linha de meu maxilar e quando eu menos esperava, virou-me de costas e enfiou seu membro de uma vez por trás.
Meus músculos retesaram, pois esta era outra faceta sua que eu não estava preparada.
- Calma! Calma! – Você murmurou, segurando firmemente meu quadril para que eu não o retirasse de dentro de mim e o local que já nos encontrávamos só me fazia ver o encontro de duas paredes.
Respirei fundo, com os músculos tremendo, eu queria te xingar, chamá-lo de cachorro de calhorda e quando pensei nisso, você me deu o primeiro tapa na bunda e depois mais outro, quando voltou a mover o quadril.
Se o estupro é inevitável, relaxa e goza, foi o que começou a povoar a minha mente. As palavras que saltavam de sua boca, me lembravam as de um Dominador e ali, eu estava sendo a submissa de uma forma que eu não estava gostando. O feitiço virou contra o feiticeiro.
- Dá para parar de me dar tapa? – Resmunguei e você continuou a socar seu membro e estapear minha bunda. Devo ter pedido mais de três vezes e cada vez mais minha voz saia como um rosnar.
Mas você estava em um cio tão insuportável, que me tratou não como uma submissa, mas como uma vadia qualquer.
Meu olhar ficou vazio, deixei você terminar o seu serviço e ainda fiz questão de fazer você gozar, não na minha bunda, mas na minha mão, depois de seu ar vitorioso por ter me devorado da forma que você vinha sonhando em me devorar.
Fiz você urrar de prazer e depois me olhar atordoado, enquanto me via com o semblante sério.
- Você é louca! – A razão tinha voltado à sua mente, pois no fim das contas, quando você se deu conta, suas roupas estavam todas jogadas pelo chão. Você poderia ter sido flagrado completamente nu, quando eu estava com todas as minhas roupas...
E enquanto você vestia suas roupas, murmurei.
- Devo ser...
Fui embora, pois eu não sabia se ria porque fiz você entrar no cio ao ponto de transar comigo e acabar completamente nu, ou se chorava...
Se chorava, porque em certo ponto a nossa experiência praticamente se tornou um abuso sexual por sua parte, um quase estupro...
Se chorava, porque me dava conta de que não era aquilo que eu queria realmente...
Ou se chorava porque me permiti a ser fraca.
Então eu chorei...
Chorei e clamei ao meu Deus que me purificasse e que arrancasse de mim aquela sensação horrorosa que eu sentia.
Chorei e fiquei me perguntando se um dia eu me perdoaria, ou se eu obteria o perdão...
Mas até aquele momento, eu mal sabia que haveria uma revanche e que eu me vingaria.Você tinha acabado de entrar para a minha lista de vinganças pessoais.

domingo, 25 de janeiro de 2009

Provocações - Parte I

Provocávamos um ao outro.
Lançando olhares, conversando em tom baixo coisas indecorosas, rindo de forma alta quando víamos quem ficava vermelho com as confissões luxuriosas.
Olhares lançados de soslaios eram flagrados pelos nossos companheiros de trabalho, mesmo assim não nos intimidávamos.
Era aí que soltávamos mais provocações para deixar os demais sem graça e imaginando o que poderia vir a acontecer se nos atracássemos.
Escutávamos o rapaz mais novo implorando para participar e o deixávamos louco quando insinuávamos que algo tinha acontecido na calada da noite e ele não esteve presente.
Você sorrindo meio de lado com seu jeito canalha.
Eu sorrindo com os cantos dos lábios e um olhar nada santo.
O que poderíamos fazer a não ser deixar o pobre coitado imaginando tudo o que não tínhamos feito, quando ele achou que a libertinagem rolou solta?
Mas eu tinha meus planos e ainda o faria cair nas minhas garras.
Mais provocações em minhas palavras, meu corpo o circundando como uma serpente a encantar seus pensamentos em meus sibilos sados-masoquistas.
Lançava aquele olhar gitano convidando-o para um mundo de perdição e foi em uma tarde que o encanto surtiu efeito.
A pia, enquanto eu lavava os copos para um dos nossos companheiros de trabalho, você chegou silencioso e lançou suas mãos em minha cintura, puxando meu quadril até ele se encaixar em seu corpo e sua perna deslizar entre as minhas.
Sorri maliciosa, olhando-o de soslaio, deixando meu quadril roçar mais ainda em seu sexo, retesando-o e fazendo-o recuar dois passos rebuscando o ar.
- Cuidado com o que deseja... – murmurei me virando e o encarando com meu sorriso malicioso aos lábios.
Vi quando você engoliu a seco, olhando para os lados para ver se ninguém tinha percebido aquela primeira provocação que você tinha feito e eu tinha rebatido.
O tempo corria e trabalhávamos feitos loucos. Era um dia agitado, corrido e mais uma vez, você aproveitou um momento meu de distração para querer vir me provocar.
Quase me prensando contra a porta que dava passagem do meu ambiente de trabalho para o ambiente de trabalho do rapaz novo que atormentávamos com as nossas conversas.
Novamente minha resposta veio com uma tacada de quem conhece as jogatinas sedutoras há mais tempo.
Deixei minha perna deslizar entre as suas, erguendo-a até deslizar da sua virilha ao seu saco. Nada ameaçador, mas extremamente provocativo que em seu rebuscar de ar o rapaz mais novo percebeu que algo acontecia e quando veio em passos rápidos perguntando o que estava acontecendo, você já tinha girado meu corpo e dado um tapa leve em minha nádega para eu me afastar e voltar a trabalhar.
- Nada! Eu estava apenas falando para ela voltar a trabalhar. – Respondeu passando a mão sobre a boca e depois sobre a testa.
Claro que o rapaz ficou desconfiado, ainda me vendo balançando a cabeça em negação, com o sorriso mais canalha do mundo aos lábios e espreitando você e ele à porta do ambiente do trabalho dele.
Você então começou a ter mais cuidado, pois estava ficando claro para nossos colegas que algo muito forte estava acontecendo entre a gente.
Então você se acalmou, mas esta calmaria duraria apenas algumas horas.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

A segunda caída - segunda parte

O sol adentrava o vidro da janela e os dois ainda tentávamos recuperar o fôlego, quando minhas mãos começaram a percorrer-lhe a pele sedosa, úmida de suor e êxtase. Sentia aqueles seios às pontas dos dedos e da língua, percorrendo a aspereza rígida de corais róseos e fechando os lábios ao redor dos mamilos, sugando com ares de criança faminta. Ela me acolhia em um abraço intenso e meus toques a envolviam, indo sentir-lhe as costas. Tinha asas, ela também, e sentia todo o corpo arrepiar-se, ao que eu acariciava aquelas penas cinzentas. Sorria para mim com jeito de descoberta e eu tomava fôlego, antes de falar-lhe baixo.

- Vem... levanta.

Erguia-me e a puxava pelos pulsos, o meu corpo tomando o seu em um abraço mais liberto que aquele ao chão. Sentia-a ainda vibrando, e podia ver aquele rosto corado, os lábios carnudos ainda puxando o ar de forma sôfrega. Um sobressalto, quando minhas mãos lhe foram tocar por cima das costas, percorrendo-as com as palmas abertas. Aquele toque que mal se deixava sentir, fazendo-se mais intenso que a pegada mais violenta poderia ser, contra os nervos acesos sob a pele dela. Meus lábios demoravam-se tocando-lhe o ombro, roçando em um deslizar calmo, deixando minha respiração também se fazer em carícias. Nosso cheiro ali era suor, sexo, gozo... O aroma de prazer, nos preenchendo as narinas.

A virava de costas para mim e abria-lhe os braços, pousando um beijo suave logo abaixo da nuca, percorrendo as laterais daquele corpo com os dedos. Suspirava com um jeito lascivo, gemendo baixinho como se decidida a provocar-me mais. Suas curvas me divertiam as mãos enquanto parecia se deixar embalar por alguma música, em um rebolado bem suave, envolvente. Deixava meus lábios subirem e descerem bem devagar, sentindo-lhe os poros arrepiarem. Fechava meus olhos, sentindo as carícias macias daquelas asas, enquanto iam se abrindo e buscando-me. Beijava-as, respirando fundo e retomando o controle de meu corpo. Deslizava carícias por entre suas penas e sentia-me perder nas sensações de prazer que elas vibravam para as minhas. Encorajando-as a se abrirem como por tantas eras não se permitiam.

- Sinta-as... Finalmente libertas de tudo. Finalmente plenas.
- L-Lucifer. Elas abrem-se para ti.

Eu não conseguia evitar o sorriso. A voz macia aos meus ouvidos se tornando novos gemidos, quando mordia aquela nuca. Um suspiro delongado e podia sentir-lhe as nádegas roçando meus quadris, naquele rebolado delicioso. O sangue voltava a enrijecer-me e o roçar se tornava cada vez mais intenso. Virava o rosto, voltando-me aqueles olhos que brilhavam em excitação, por entre os cachos negros. Os dois ali, nus, asas abertas e os corpos bailando. Demorava-me em fazê-la sentir mais arrepios, às carícias que pareciam estender-se para além de suas costas. Um novo abraço, de súbito, agarrando-lhe os seios com firmeza, por trás, acariciando-os com a vontade daquela fome imensurável.

- Fecha os olhos que você sempre conheceu. Abre novos.

Ela respirava mais fundo, ali, embalando-me naquela dança lasciva, minhas mãos naquele tomar dos seios, provocando os mamilos, sentindo os arrepios e deliciando-me em gemidos cada vez mais demorados. Eu, rijo e ainda todo melado de nosso prazer, escorregava por entre aquelas nádegas, misto de provocação e ameaça, sentindo-a tremer em antecipação. Encaixava-me no meio daquelas coxas e roçava, teso, à entrada daqueles lábios que ainda escorriam tanto. Meu desejo encontrava um suspiro quase de súplica e não mais me continha. Apertava mais forte um seio enquanto agarrava-lhe os cabelos, à nuca, empurrando seu corpo por cima de uma mesa, fazendo ela empinar aquela bunda roliça à minha direção. Excitada, ansiosa, ela abria um pouco as pernas, os dedos provocando-me ao expor aquela boceta lisa, depilada, melada. Me olhava por sobre o ombro, com jeito quase de moleca, corpo tão entregue.

A invadia de novo, agora ainda mais forte, sentindo ela estremecer e ouvindo um murmúrio de prazer que assomava-se à respiração acelerando. Em um abraço aos quadris deixava os dedos tocarem seu clitóris, acariciando-o por entre eles e sentindo meu pau a abrir mais em cada estocada. A outra mão agarrava-lhe à cintura e naquele puxar firme ela sentia os seios deslizando pela mesa. Me engolia, encharcada e tão quente, naquele misto de gozo, suor e dor. Ela jogava o corpo em direção ao meu, fazendo-me ir mais fundo que da primeira vez, agora. Os gemidos tornavam-se gritos de prazer, quando eu me sentia quase rasgando-a, tão firme e fundo naquela xana.

- Sente o meu calor? – ela sussurrava, sôfrega, enquanto se abria ainda mais e cravava as unhas em minha cintura, me puxando como se quisesse-me todo, ali dentro. Chamas ardiam naqueles olhos escuros e eu me deixava perder o controle, os dedos melados daqueles lábios deixando-me provar daquele néctar que sentia escorrer e melar-me, cálido. Tomava aos lábios o mesmo prazer que meu pau arrancava daquela boceta, que ouvia explodir dela em gemidos e gritos cada vez mais fortes. Envolto no gozo que a fazia estremecer. Uma sinfonia de sentidos. - P-posso gozar?

Ela estremecia em minhas mãos, tentando respirar fundo quando o ar lhe faltava, deixando-se levar pelas ondas daquele prazer, que tomavam-na sob a pele. Pulsava forte, apertando-me dentro dela, eu não parava de meter tão forte e puxá-la pra mim. Podia vê-la salivar por sobre aquela mesa, completamente entregue, balbuciando agradecimentos quase inaudíveis, mas sem parar de rebolar e gemer tão gostoso, sob mim. Eu a puxava para fora da mesa e ela sentia meu pau ainda tão firme a fodê-la com força, em meio àquele novo abraço. Corpos suados deslizando uma vez mais, aquelas asas cinzentas tão abertas. Misturando suas penas às minhas, alvas. Me pedia mais, inclinando-se de novo para a frente, apoiando as mãos às próprias pernas, agora.

- Eu nunca... fiquei nessa posição antes... Milorde. – Ofegava e me sorria, devassa, tão aberta, naquele jeito que acabara de descobrir. Por um momento, vi-a como se prestes a alçar vôo, as asas erguendo-se com jeito quase de ameaça. Agarrava-lhe as nádegas com firmeza, puxando-a toda pra mim. Seu gozo e prazer escorriam por nossas pernas e ali, em uma entrega que nenhum dos dois havia experimentado, começava a gritar, impalando-se no meu sexo teso. A cada estocada nossos quadris batiam com força e a cada batida ela gemia ainda mais alto, voltando a gritar. - É bom. Bom demais, Senhor.

Me deixava abri-la sem qualquer pudor e meus instintos me tomavam de assalto. A respiração tentava encontrar mais ar, o corpo ardia no calor daquela boceta e do meu próprio sangue. Deslizava dentro dela e nossos gemidos uniam-se como se em desafio às paredes que tentavam contê-los. Explodíamos juntos, em um gozo que estremecia a ambos, agora. Rebuscava o ar, puxando-a por trás em um novo abraço, erguendo-a.

- Obrigada, Milorde...

Beijava-lhe a nuca e ela suspirava, com um jeito cansado, tão manhoso. Gemia baixinho, quando meu sexo escorregava para fora dela e repentinamente os dois abríamos um mesmo sorriso lascivo.

Uma empregada do prédio em frente podia finalmente voltar a varrer a varanda.